Como vender seus trabalhos de design

Você sabe como vender seus trabalhos de Design?

O design gráfico é uma profissão bastante utilizada por todos os mercados. É através do design que se desenvolvem as embalagens, rótulos, etiquetas, marcas e tudo o que uma empresa pode criar de efeito e estratégia visual para se destacar da concorrência e ganhar o consumidor no momento da decisão de compra. 

Segundo estudos da Universidade de Minnesota, o cérebro humano tem mais facilidade em processar imagens do que textos e áudios, fazendo isso até 60 mil vezes mais rápido. Além disso, 90% de todas as informações que são transmitidas ao cérebro, são visuais. 

O design também oferece muitas áreas possíveis para trabalhar, como: direção de arte, diagramação, embalagens, animação, web, UI/UX, games e tantas outras. 

Conheça mais sobre a profissão e como construir uma carreira de Designer Gráfico clicando aqui.

Sendo utilizado em tantas áreas, as formas de contrato para atuar como designer também são variadas. Esse profissional pode atuar como CLT, por meio da contratação convencional, ou atuar como freelancer, tendo a possibilidade de fechar freelas fixos, recebendo o mesmo valor mensal em um contrato de prestação de serviço, ou freelas sob demanda, recebendo de acordo com a entrega. 

De acordo com um relatório da indústria IBISWorld, os designers autônomos – freelancers – correspondem a cerca de 90% da demanda da indústria, com a tendência de que esse número aumente ao longo dos anos. 

Alguns pontos que podem colaborar para a escolha desses profissionais a optarem pela carreira como freelancer:

  • Liberdade geográfica
  • Ser seu próprio chefe
  • Flexibilidade de horário 
  • Prestar serviços para mais negócios
  • Possibilidade de faturar mais

A partir da relevância desses dados, criamos uma lista de como vender seu trabalho de design. Vamos lá! 

◼️ Site

O designer freelancer é um empreendedor e precisa se posicionar no mercado dessa forma. Por isso, ter um site bem formatado onde as pessoas possam encontrar mais informações com relação ao seu trabalho, é importante. 

Como o design é uma área que não tem barreiras geográficas, os sites são uma forma de fazer com que você seja encontrado por pessoas e empresas de qualquer lugar do mundo. 

Nele é possível falar sobre você, sua formação e seu know how, além de poder mostrar seus melhores trabalhos com um portfólio próprio e disponibilizar os seus contatos. 

◼️ Blog

A criação de um blog é uma estratégia voltada ao marketing de conteúdo, onde você desenvolve uma série de textos como forma de compartilhar aquilo que você faz, levando conhecimento aos seus espectadores. 

Desenvolva um calendário com temas que você possa abordar e prepare a produção do conteúdo. Escreva sobre o que você faz, sobre seu processo criativo, sobre algumas técnicas que usa, sobre projetos específicos. São inúmeras as possibilidades. 

Criar um blog é relativamente simples visto a quantidade de portais que oferecem esse tipo de solução de forma paga ou gratuita. Espaços como o WordPress, StudioPress, Wix e tantos outros, podem ser utilizados. 

◼️ Redes Sociais

Não tem como não falar de redes sociais, ainda mais quando o assunto é relacionado às artes visuais. 

O mundo está nas redes sociais. E você não pode estar fora delas também. Atualmente, é muito comum que as pessoas façam uso das redes sociais não somente para interação, mas também para adquirir conhecimento, construir networking e contratar profissionais. 

As redes sociais são uma vitrine extremamente relevante para o profissional criativo. Por isso, é necessário que você conheça o terreno que está pisando e construa até um plano de marketing para gerir suas ações. 

Aprenda a construir seu próprio plano de marketing clicando aqui.

photo1654722270

Além de publicar seus conteúdos e portfólio, busque também por engajamento. Crie para diferentes formatos, interaja com seus seguidores, analise seus dados, extraia as melhores possibilidades dentro de cada ferramenta que utilizar. 

◼️ Venda de Arte

Outra possibilidade de monetizar o seu trabalho de designer gráfico, é vendendo suas criações para sites que aplicam essa arte em produtos. 

Alguns exemplos desse segmento são a Colab55, Zazzle, Society6 e Redbubble. Esses são sites em que as pessoas podem comprar suas artes aplicadas em produtos como camisetas, cases de celular, pôsteres, almofadas e uma série de outros materiais. 

Cada um desses sites tem sua forma de envio e porcentagem próprias de repasse de royalties para o criador. 

◼️ Banco de Imagens

Os bancos de imagens são bastante utilizados por diversos profissionais. São sites que comercializam fotos, vídeos ou imagens vetoriais para serem utilizadas em projetos gráficos. 

Esses sites se mantêm através do recebimento e venda desses conteúdos criados por profissionais criativos. 

Você pode vender suas criações para gigantes do mercado, como: Shutterstock, Fotolia, iStock, Depositphotos e outros. 

Esses sites têm milhares de arquivos disponíveis e, por esse motivo, têm um número de acessos muito grande, o que faz com que seu material esteja disponível para muita gente. A medida que compram suas artes, você recebe uma porcentagem pela venda, sendo uma opção de renda também. 

◼️ Afiliado Digital

A venda de infoprodutos é um mercado em ascensão, inclusive tratando-se de produtos de design, e pode ser monetizado de duas formas:

Você pode atuar como criador, desenvolvendo seu próprio curso ensinando a fazer algo que você domina, construindo um ebook ou disponibilizando um pack de artes, por exemplo, e colocando a venda de forma que outras pessoas possam te ajudar a vender se afiliando ao seu produto. 

Outra forma, é você enquanto designer se afiliar a infoprodutos e ganhar uma comissão por venda do produto de outras pessoas. Com o conhecimento estético de um designer, é possível criar artes que auxiliem na divulgação e estratégia de vendas. Afinal, não são todos os produtores que disponibilizam material gráfico para venda, ou até disponibilizam, mas não se trata de um material realmente atrativo. 

◼️ Sites para Freelancers

Claro que não poderia faltar nessa lista, os sites focados para os freelancers. 

Se você deseja trabalhar como freela, essa é uma ótima opção para construir projetos de clientes reais, já sendo remunerado para isso, ter contato com possíveis clientes e ter milhares de oportunidades à disposição. 

Sites como Workana, 99Freelas, Crowd, GetNinjas e Talent Network são ótimos portais para encontrar quem precisa dos serviços de designers. 

Caso queira saber mais sobre esses sites e como funcionam os portais de freelas, clica aqui.

vender seus trabalhos de design

◼️ Internet 3.0

Não tem como não aparecer a internet 3.0 como opção de trabalho remunerado para designers gráficos em um material escrito para esse mundo cada vez mais digital. 

O Metaverso, a realidade virtual, a realidade aumentada, os games… tudo isso é construído por designers que criam para empresas que querem estar presentes no novo mundo. 

Além disso, a venda de suas próprias criações como NFTs também é uma excelente possibilidade de conquistar valores em uma área com bastante demanda.

E falando em NFT, clica aqui e leia a matéria sobre um artista que vendeu suas obras de forma digital faturando mais de US$ 738.000,00 em 32 minutos.

como ganhar mais

Como me tornar um profissional apto para conseguir monetizar minhas artes nesses espaços?

Como você viu ao longo dessa matéria, o que não falta é oportunidade para ganhar bem sendo designer gráfico. Mas claro que, quanto mais você se desenvolve, melhor o seu trabalho fica. E quanto melhor for o seu trabalho, mais você tende a receber por ele. 

Se você busca uma formação que te prepara de forma prática para o mercado criativo te deixando pronto para atuar como designer gráfico, conheça o curso Design Gráfico Multi. Uma formação multifocal em design gráfico, para que você desenvolva as habilidades necessárias para não perder um job sequer.

 

E aí, curtiu o conteúdo?

Então acompanhe nossas outras matérias clicando aqui.

Flw, vlw 🤙

VER TAMBÉM

Artigos relacionados

Ao continuar você concorda com nossa política de uso de cookies.